154609641799
academy
Segurança
Privacidade
Desempenho
Português
Avast Academy Privacidade Dark Web Fatos revelados sobre a dark Web: Mitos e estatísticas sobre a Web secreta

Fatos revelados sobre a dark Web: Mitos e estatísticas sobre a Web secreta

A apropriadamente chamada dark Web está envolta em mistério. O que é verdade e o que é boato? Alguns fatos da dark Web vão te chocar, outros, assustar, e alguns aparentes "fatos" da dark Web não são fatos de forma alguma. Separe a verdade da ficção na dark Web com nosso guia abrangente. Em seguida, obtenha uma poderosa ferramenta de monitoramento da dark Web para ajudar a proteger suas informações pessoais contra perdas, vazamentos e violações de dados, mesmo na dark Web.

Academy-Dark-Web-Facts-Revealed-Hero
Escrito por Domenic Molinaro
Publicado em Dezembro 1, 2023

Os 10 principais fatos da dark Web para 2024

É difícil medir as estatísticas da dark Web, mas estima-se que existam dezenas de milhões de URLs na dark Web e dezenas de milhares de sites ativos na dark Web, incluindo milhares de fóruns e mercados.

Hamburguer menu icon

Este artigo contém:

    Aqui estão os dez principais fatos sobre a dark Web que você deve saber para 2024:

    1. Clones do ChatGPT estão aparecendo na dark Web. Pesquisadores de segurança descobriram chatbots de inteligência artificial anunciados na dark Web que são criados com base em grandes modelos de linguagem (LLMs), como os usados pelo ChatGPT. Um exemplo, o WormGPT, é adepto de phishing orientado por inteligência artificial, especialmente ataques de comprometimento de e-mail comercial. Outro, o FraudGPT, é um chatbot orientado por inteligência artificial que engana as pessoas para que divulguem informações confidenciais ou realizem ações perigosas por apenas algumas centenas de dólares por mês.

    2. Com a COVID-19, foi criado um mercado de vacinas na dark Web. Os criminosos cibernéticos exploraram a pandemia da COVID-19 para criar um mercado de certificação de vacinas na dark Web. À medida que as pessoas desesperadas se aglomeravam na dark Web para obter vacinas e certificados, um mercado totalmente novo se abriu para atender à demanda. Posteriormente, o mercado negro de vacinas permaneceu ativo.

    3. O fentanil é um centro de lucro na dark Web. Em 2021, um distribuidor da dark Web foi pego vendendo meio milhão de comprimidos falsos de oxicodona misturados com fentanil ou outras drogas. Em 2023, a Operação SpecTor resultou na apreensão de 850 quilos de drogas, incluindo 64 quilos de fentanil ou narcóticos com fentanil, e mais de US$ 53 milhões em dinheiro e criptomoedas.

    4. A dark Web tem seus próprios impérios criminosos. Antes de ser apreendido em abril de 2022, o sindicato russo do crime cibernético Hydra era responsável por 80% das transações de criptomoedas relacionadas ao mercado da darknet, com um patrimônio líquido de mais de US$ 5,2 bilhões. Desde então, a Hydra foi substituída pelos aspirantes a senhores da darknet OMG!OMG!, Blacksprut, Mega, Solaris e Kraken.

    5. A dark Web começou sendo clara. Um dos usos originais do Tor era ocultar as comunicações e as identidades de agentes e dissidentes americanos que viviam em regimes opressivos no exterior. O objetivo original da Freenet era a liberdade de expressão e o combate à censura. Essa tradição continua até hoje, com serviços da dark Web, como o SecureDrop, para fazer upload de documentos confidenciais, e o Ricochet Refresh, para chat seguro.

    6. As drogas ilícitas dominam o dia a dia da dark Web. Elas são a mercadoria mais vendida, representando mais da metade das transações na dark Web. A cannabis e os produtos farmacêuticos representam cerca de metade das drogas vendidas na darknet, sendo que o MDMA e o LSD correspondem a mais ou menos 20%.

    7. Os serviços criminosos da dark Web variam de baixo a alto nível. Em julho de 2022, 90% das explorações anunciadas nos dark marketplaces eram vendidas por menos de US$ 10, com um preço médio de pouco mais de US$ 2. As explorações de dia zero (vulnerabilidades ainda não conhecidas publicamente) chegam a custar mais de US$ 10.000 nos mercados da darknet. A maior parte do comércio de exploração de alta qualidade ocorre em canais privados.

    8. O representante do vendedor é tudo. Todos os mercados de criminosos cibernéticos permitem que compradores e vendedores deixem comentários. De acordo com a pesquisa descrita no relatório HP Wolf Security 2022, 92% dos mercados de criminosos cibernéticos têm serviços de resolução de disputas e 77% dos dark marketplaces exigem uma licença de fornecedor, que pode custar cerca de US$ 3.000. A maioria dos fornecedores tem uma pontuação de feedback positivo superior a 65%.

    9. As criptomoedas dominam o mercado. Devido à dificuldade de rastreamento, 98% das transações na dark Web são feitas em criptomoedas como Bitcoin (BTC) ou Monero (XMR). Ao todo, estima-se que o uso de criptomoedas para transações ilícitas tenha ultrapassado US$ 20 bilhões em 2022.

    10. O próprio crime cibernético é um produto. É mais seguro ensinar o crime cibernético do que fazê-lo você mesmo. Os criminosos cibernéticos experientes agora oferecem tutoriais de hacking, manuais e cursos específicos sobre crimes cibernéticos na dark Web.

    Mitos da dark Web

    A dark Web é misteriosa, e muitas atividades obscuras se espalham no escuro, mas não é tão perigosa quanto parece. Embora seja possível contratar assassinos na dark Web, quase sempre se trata de uma fraude.

    Mito da dark Web: O acesso à dark Web é ilegal.

    Verdade da dark Web: O acesso e a visualização de conteúdo na dark Web são legais nos Estados Unidos, na UE e na maioria dos países do mundo. Não é ilegal visitar mercados, acessar sites ou dar uma olhada em produtos da dark Web. Mas, assim que o conteúdo ilegal entra em seu sistema ou você paga por produtos ou serviços ilegais, você é responsabilizado.

    Mito da dark Web: Não há regulamentação para a dark Web.

    Verdade da dark Web: A dark Web se autorregula, e os dark marketplaces são tratados como um negócio. Para vender nas principais plataformas, os vendedores devem não apenas ter uma licença, mas também fornecer informações sobre o tipo de produto, a origem da produção, a quantidade exata disponível, o preço e até mesmo uma imagem do produto. Para bens materiais, os destinos disponíveis para remessa e a origem devem ser fornecidos, bem como os métodos de remessa e os preços.

    Mito da dark Web: Você não pode ser rastreado.

    Verdade da dark Web: O rastreamento na Web ainda é possível na dark Web. Embora a dark Web use criptografia para frustrar os esforços de rastreamento, o anonimato é aproveitado pelas autoridades para realizar vigilância online, configurar honeypots e operar linhas de denúncia anônimas de informações da dark Web. Os criminosos cibernéticos também são conhecidos por ocuparem os nós de saída do Tor — os cones de tráfego da dark Web que supostamente são anônimos — e redirecionarem os usuários para sites inseguros nos quais o certificado SSL foi removido.

    Mito da dark Web: Somente criminosos usam a dark Web

    Verdade da dark Web: Há muitos usos legais da dark Web, e grande parte do conteúdo nela é legal. Muitas pessoas usam a dark Web para evitar a vigilância do governo. Edward Snowden ficou famoso por usar a dark Web para denunciar a NSA, e os manifestantes da Primavera Árabe usaram o Tor para contornar a censura. Mais recentemente, o Tor foi usado para organizar protestos no Irã. Muitas empresas respeitáveis, como a BBC e o Facebook, criaram sites na dark Web para ajudar os visitantes de países repressivos a contornar a censura e acessar seu conteúdo.

    Crime na dark Web

    O Farmer's Market foi o primeiro mercado conhecido da dark Web, seguido pelo infame Silk Road. Ambos eram pontos de encontro para comprar narcóticos ilegais antes de se transformarem em um comércio ilícito completo. Muitos dark marketplaces duram menos de meses, mas alguns, como o Vice City, resistiram ao teste do tempo. Empresas iniciantes, como o ASAP Market, surgem para substituir os mercados que são fechados.

    A venda de drogas ainda é o crime mais comum na dark Web. A venda de cannabis é o crime mais comum na dark Web, seguida pela venda de produtos farmacêuticos. Os mercados de "várias categorias", como o Alphabay, que ressurgiu recentemente, são versões da Amazon para todos os fins da darknet e constituem uma grande parte do conteúdo da dark Web.

    Uma ilustração mostrando os diferentes tipos de itens e serviços ilícitos à venda na dark Web.

    Quem está usando a deep Web e a dark Web?

    Quase todo mundo usa a deep Web todos os dias, por exemplo, para verificar so eu e-mail. A deep Web é a parte da Internet que não pode ser pesquisada e que precisa de autenticação para ser acessada, como credenciais de login. A dark Web é composta de partes especialmente criptografadas da deep Web e é usada por criminosos cibernéticos, bem como por pessoas comuns, que desejam se comunicar e negociar em segredo.

    Em 2023, cerca de 550.000 americanos usaram o Tor todos os dias, o que representa pouco mais de 20% dos usuários diários do Tor em todo o mundo.

    Usuários diários do Tor:

    • Alemanha 47%

    • Estados Unidos 21%

    • India: 1,89%

    • Finlândia: 1,86%

    • Rússia 1,72%

    • Holanda 1,55%

    • Indonésia 1,48%

    • Reino Unido: 1,39%

    • França 1,38%

    • Irã 0,94%

    De acordo com um estudo, o inglês é o idioma mais popular nos domínios Onion (73%), seguido pelo russo (11%), alemão (2,33%), francês (2,15%) e espanhol (2,14%).

    Estatísticas da deep Web:

    • A deep Web contém mais de 7,5 petabytes de informações, o que é significativamente maior do que a surface web.

    • Estima-se que a deep web represente cerca de 95% da rede mundial de computadores.

    • Acredita-se que cerca de 5% da deep Web seja a dark Web, mas é difícil dizer, porque grande parte da dark Web é difícil de encontrar e estudar.

    • Milhares de sites da deep Web são hackeados diariamente.

    • É provável que você esteja mais vulnerável a invasões na surface Web do que na deep Web, porque os dados da deep Web são protegidos por credenciais de login.

    • A maioria dos sites obscuros da deep Web tem extensões .onion e .i2p.

    Os usuários da Dark Web podem ser:

    • Whistleblowers

    • Jornalistas

    • Manifestantes

    • Organizadores de base

    • Traficantes de drogas

    • Doxxers

    • Cyberbullies

    • Criminosos cibernéticos

    • Terroristas cibernéticos

    • Hacktivistas

    • Funcionários com informações privilegiadas

    • Script kiddies ou outros tipos de hackers

    • Pervertidos

    • Inteligência de ameaças

    • Empresas

    • Agentes estatais

    Não está claro o quanto da Internet é a dark Web. Mesmo os melhores mecanismos de pesquisa da dark Web não conseguem encontrar mercados obscuros que realmente não querem ser encontrados.

    Embora a dark Web não seja totalmente sinistra, a segurança está longe de ser garantida em um local onde a atividade criminosa floresce. Se estiver pensando em enfrentar a escuridão, saiba como configurar uma VPN para ter outra camada de segurança antes de entrar.

    A economia da dark Web

    A economia da dark Web tem se tornado mais sofisticada ao longo dos anos. A maioria das vendas no mercado da dark Web agora é realizada por meio de depósito. Quando um cliente compra um produto, o valor pago é transferido para uma carteira de criptomoedas de propriedade do marketplace. O marketplace libera os fundos quando o cliente confirma o recebimento.

    Além disso, as métricas de reputação tomaram conta dos dark marketplaces, com as licenças de fornecedores se tornando a norma. Os mercados mais usados da darknet passaram a se assemelhar a seus equivalentes legítimos da surface Web.

    O que está à venda na dark Web?

    Tudo o que você pode comprar legalmente também pode ser comprado na dark Web, inclusive roupas, videogames e itens colecionáveis raros. Drogas como a cannabis são comumente vendidas na dark Web. A fraude representa cerca de 70% do comércio ilícito não relacionado a drogas na dark Web.

    Coisas ilegais que você pode comprar na dark Web:

    • Drogas recreativas, como a cannabis

    • Medicamentos de prescrição ilícita e outros produtos farmacêuticos

    • Drogas pesadas, como heroína

    • Armas de fogo

    • Produtos químicos tóxicos

    • Pornografia

    • Moeda falsa

    Fraude que você pode comprar na dark Web:

    • Números de cartão de crédito

    • Credenciais online

    • Contas bancárias roubadas

    • Números de cartões de presente

    • Fullz (ou informações completas), perfis completos de vítimas necessários para roubo de identidade

    • Bancos de dados invadidos

    • Documentos fraudulentos, como carteiras de motorista ou passaportes

    • Contas hackeadas, como contas hackeadas do ChatGPT ou contas hackeadas da Netflix

    Mídia e software que você pode comprar na dark Web:

    • Tutoriais de hacking

    • Tutoriais para cracking

    • Tutoriais de engenharia social

    • Software hackeado

    • Software pirateado

    • Informações Pessoais Identificáveis (PII) e guias de verificação de antecedentes

    • Métodos de carding (como cometer vários crimes baseados em cartões)

    Malware que você pode comprar na dark Web:

    Malware como serviço (MaaS) que você pode comprar na dark Web:

    Além do malware como serviço, as informações privadas são um grande negócio na dark Web. Após uma violação de dados, os dados privados são frequentemente vendidos a quem der o maior lance na dark Web. Veja como denunciar roubo de identidade se perceber algo estranho em suas contas de e-mail ou financeiras.

     Um exemplo de lista de itens à venda na dark Web.

    A história da dark Web: O que é e como começou?

    A dark Web tem duas origens. Em meados da década de 1990, para tornar anônimas as conexões com a Internet, cientistas do Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA criaram o primeiro canal secreto de comunicações pela Internet, roteando e criptografando o tráfego por meio de vários servidores. Seu trabalho continuou no início dos anos 2000 com Roger Dingledine, formado pelo MIT, e acabou se transformando no Projeto Tor e no navegador Tor, um navegador da Web que acessa a rede anônima do Tor e, portanto, pode servir como um portal para a dark Web.

    Enquanto isso, em 2000, Ian Clarke e um grupo de voluntários da Internet desenvolveram a tese de pós-graduação de Clarke sobre "Um sistema distribuído e descentralizado de armazenamento e recuperação de informações" na "Freenet", a primeira rede ponto a ponto descentralizada do mundo. A Freenet, agora conhecida como Hyphanet, tornou-se uma rede privada de compartilhamento de arquivos, chats e sites, mas não tem acesso à rede externa nem serviço tradicional da Web.

    Tor, Hyphanet e ramificações como o Invisible Internet Project (I2P) compõem a rede subterrânea de serviços descentralizados ponto a ponto, conhecida atualmente como dark Web.

    A dark Web não é propriedade de ninguém, ela é administrada e mantida por seus usuários. É difícil saber exatamente quantas pessoas usam a dark Web, já que a navegação anônima é o que ela faz de melhor, mas as métricas internas do Tor revelam que cerca de 4 a 5 milhões de pessoas usam a dark Web todos os dias.

    Embora existam muitos motivos legítimos para as pessoas acessarem a dark Web, seu rápido crescimento de usuários após a COVID-19 levou ao aumento dos mercados de crimes cibernéticos e a maiores preocupações com a segurança.

    Projeções e tendências futuras

    O crime cibernético está se tornando uma economia orientada por serviços, e a dark Web é onde os criminosos cibernéticos fazem seus negócios. Os criminosos cibernéticos agora podem alugar software de ataque e pagar uma comissão ao proprietário. A reputação também está se tornando a base da rede da dark Web, à medida que as empresas começam a operar como corporações.

    O crime na darknet está crescendo no Sudeste Asiático e em outras partes do mundo, pois jovens desesperados pagam criminosos mais experientes da dark Web para obter orientação. E o aumento da censura em todo o mundo está levando cada vez mais pessoas para a dark Web, onde algumas informações podem ser encontradas com mais facilidade.

    Com a especialização em crimes cibernéticos em alta e as ferramentas de crimes cibernéticos, como os chatbots de inteligência artificial generativa, tornando-se mais sofisticadas a cada dia, poderemos ver uma explosão de crimes cibernéticos automatizados nos próximos anos.

    Proteja seus dispositivos online com o Avast BreachGuard

    O Avast BreachGuard ajuda a monitorar a dark Web para você e a remover todos os dados vazados que encontrar. Ele ajuda você a se defender contra ataques cibernéticos, manter suas senhas seguras e alertar sobre novas ameaças à sua privacidade.

    Os criminosos cibernéticos trabalham juntos, assim como as pessoas bem-intencionadas. Ajude a combater as forças obscuras da Internet com o Avast BreachGuard.

    Perguntas frequentes

    O que é o monitoramento da dark Web?

    O monitoramento da dark Web é um serviço que coleta vazamentos de bancos de dados, os indexa e, em seguida, vende o acesso a pessoas que desejam verificar suas informações. Os vazamentos de banco de dados podem ser comprados e verificados individualmente, mas o monitoramento da dark Web reúne tudo em um só lugar. O monitoramento da dark Web costuma ser uma commodity de valor agregado associada a avaliações de ameaças cibernéticas, como varreduras de vulnerabilidades.

    Meus dados estão na dark Web?

    As violações de dados são comuns e, se você é um usuário antigo da Internet ou frequenta os sites mais usados, provavelmente seus dados já estiveram na dark Web em algum momento. Se estiver preocupado, faça uma varredura na dark Web para ver se seus dados estão lá fora. Você também pode pagar um serviço de monitoramento da dark Web para reunir todos os vazamentos de dados conhecidos atualmente e procurar suas informações.

    A dark Web é maior do que a deep Web?

    Não, estima-se que a deep Web represente cerca de 95% de toda a web, enquanto a dark Web é uma pequena porcentagem dela. A porcentagem exata não é clara, mas estima-se que a dark Web corresponda a cerca de 3 a 5% de toda a rede mundial de computadores.

    Quem criou a dark Web?

    A dark Web não foi criada por uma única pessoa. Ela surgiu organicamente de várias fontes, como os pesquisadores da Marinha dos EUA David Goldschlag, Mike Reed e Paul Syverson, o estudante da Universidade de Edimburgo Ian Clarke e o graduado do MIT Roger Dingledine. À medida que o entusiasmo por uma Internet anônima e descentralizada se espalhou, voluntários aproveitaram o trabalho desses primeiros pioneiros para criar a dark Web.

    A dark Web e a deep Web são a mesma coisa?

    Não, a dark Web não é a mesma coisa que a deep web. A deep Web é a parte não indexada e, em grande parte, não pesquisável da Internet que fica atrás das credenciais de login ou de outros protocolos de acesso. A dark Web é um subconjunto da deep web, é criptografada e você precisa de ferramentas ou equipamentos especiais para acessá-la.

    Conecte-se com privacidade no seu iPhone

    com o Avast Secureline VPN

    TESTE GRÁTIS

    Conecte-se com privacidade no seu Android

    com o Avast Secureline VPN

    TESTE GRÁTIS
    Dark Web
    Privacidade
    Domenic Molinaro
    1-12-2023
    -->